YANOMAMI_site.jpg
embalagem_yanomami_antiga.jpg
ya.png

Chocolate Yanomami-Ye'kwana 

69% Cacau

Coordenadas geográficas do local de colheita do cacau: 03° 33′ 22.9′′ N | 063° 10′ 20.1′′ O

Yanomami-Ye'kwana - Roraima - Amazônia - Brasil

Como o próprio nome já diz, o cacau desta barra é colhido na Terra Indígena Yanomami, mais precisamente ao longo das margens dos rios Uraricoera e Toototobi, nos estados de Roraima e Amazonas, fronteira com a Venezuela. Essa variedade de cacau, ainda não identificada, é pré-processada pelos povos indígenas Yanomami e Ye'kwana. Esse é um chocolate extremamente saboroso. Apresenta um doce de amêndoa delicado e prolongado, que lembra banana in natura e sabor de chocolate. O Chocolate Yanomami-Ye’kwana é equilibrado e apresenta uma textura que permite distribuição lenta na boca.

Pré-processada em comunidades indígenas Yanomami e Ye'kwana, as amêndoas de cacau desta barra de chocolate representam mais que a riqueza da biodiversidade e da história das terras do nosso país. Elas mostram, sobretudo, a importância desse cultivo como contraponto à devastação do garimpo ilegal de ouro, que está destruindo a floresta, contaminando os rios e consequentemente as famílias do entorno. 

“O cacau é fruto de nossa floresta e um grito de resistência contra as invasões que as Terras Indígenas sofrem diariamente no Brasil”, afirma Dário Yanomami, vice-presidente da Hutukara Associação Yanomami.


O trabalho conjunto entre César De Mendes e o povo Yanomami e Ye’kwana foi realizado com a parceria do Instituto ATÁ e o apoio do Instituto Socioambiental (ISA), que buscava alguém que entendesse as particularidades da variedade de cacau encontrada na Terra Indígena Yanomami. Para isso, César foi convidado a realizar uma oficina na comunidade Waikás, produzida pela Associação Wanasseduume Ye'kwana, em que participantes Yanomami e Ye’kwana ajudaram a produzir sua primeira barra de chocolate.

 

Esse trabalho em parceria com os Yanomami e Ye’kwana influenciou não só o sabor do chocolate, como também a visão de mundo de César. “Eles têm um modo de enxergar a vida muito diferente, o que acaba sendo traduzido no sabor do próprio chocolate. Os Yanomami e Ye’kwana são muito respeitosos, sensíveis, humildes e humanitários. Eles fazem tudo em grupo”, contou César ao lembrar de forma carinhosa e afetiva seu primeiro contato com os indígenas.  

 

E essa é apenas uma das muitas lições que César aprendeu na interação e convivência com esses povos. “Todos temos que aprender com essa postura, atitude e exemplo de cooperação, de solidariedade e do olhar para o outro. Eles trabalham é com o senso da empatia”, afirmou.

 

Infelizmente, as comunidades sofrem cada vez mais com os impactos da invasão do garimpo ilegal de ouro. Diante desse enorme desafio, o Chocolate Yanomami-Ye’kwana é uma iniciativa de luta pela conservação das florestas na Terra Indígena Yanomami, com 9,6 milhões de hectares, com foco na região de Uraricoera fortemente afetada pela invasão garimpeira e sua devastação.

 

O Chocolate Yanomami-Ye’kwana valoriza o conhecimento ancestral desses dois povos e gera renda para cerca de 10  comunidades, que vivem às margens dos rios Uraricoera e Toototobi, diretamente ameaçadas pelo garimpo ilegal de ouro. 

 

Essa barra é extremamente saborosa, apresenta um doce de amêndoa delicado e prolongado, que lembra banana in natura e sabor de chocolate. O Chocolate Yanomami- Ye’kwana é equilibrado e apresenta uma textura que permite distribuição lenta na boca. “Certamente uma das maiores experiências sensoriais da minha vida”, comenta César ao contar sobre toda a preparação para o lançamento da barra.  

Yanomami.jpeg
César nas comunidades.jpg
1ac10b36-8714-45c0-bcb5-5a84c419830f.jpg
Créditos: Coi Belluzzo / ISA

“Esse trabalho com os indígenas Yanomami e Ye’kwana é um pouco da história da minha vida, porque ela mexe muito com a gente, com o nosso modo de pensar, com a nossa visão de mundo, com os nossos valores. É uma história e experiência muito intensas, significativas e marcantes para mim” – César De Mendes

IMPACTO SOCIAL E AMBIENTAL

Este chocolate contribui para a conservação das florestas da Terra Indígena Yanomami, com 9,6 milhões de hectares. Da colheita à produção, buscamos ser responsáveis, solidários e socioeconomicamente justos. 

 

OUTROS INGREDIENTES E FORNECEDORES

- Açúcar Mascavo: fornecido pela COPAVI – Cooperativa de Produção Agropecuária Vitória, localizada em Paranacity, no noroeste do estado do Paraná. Fundada em 1993, à partir do assentamento Santa Maria, de apenas 236 hectares e 61 habitantes, a COPAVI é a experiência mais longeva na produção coletiva e solidária do Paraná.

- Manteiga de cacau: proveniente de um sistema agroflorestal de 50 anos, em uma área de 400 hectares, onde a floresta regenerou-se em Tomé-Açú, no Pará. O cacau é da variedade Maranhão e a manteiga é produzida por prensagem a frio pela Fazenda Sakaguchi.